Efisica

Nota Histórica


Em torno do ano de 1790 (época da revolução francesa), Galvani, um italiano professor de anatomia, realizou a seguinte experiência: cortou ao meio uma rã, ficando com a metade do tronco e as pernas. Pôs a nú os nervos lombares. Depois, com um arco metálico formado por dois metais, zinco e cobre, com uma extremidade tocava os nervos lombares, e com a outra, um músculo da perna ou da coxa. A cada contacto, os músculos se contraíam, como se a rã estivesse viva (fig. 222). Galvani atribuiu o fenômeno a uma eletricidade que supôs existir na rã. Lançou a idéia de que todo corpo animal possui eletricidade.

arco com dois metais diferentes em contato com o nervo da rã

Figura 222

Muitos homens da época apoiaram a interpretação de Galvani, entre eles o próprio Alessandro Volta, que passou a repetir sistematicamente as experiências do anatomista. Posteriormente, Volta observou que, quando usava um arco de um único metal, em vez de usar dois metais, as contrações musculares eram muito mais intensas. Começou então a atribuir mais importância aos metais do que à rã. Abandonou as idéias de Galvani, e fêz as seguintes hipóteses:

1a) que a origem da eletricidade não era o corpo do animal, mas o contacto dos dois metais diferentes com esse corpo.

2a) que o corpo da rã atuava como condutor, e ao mesmo tempo como um eletroscópio muito sensível.

Depois Volta passou a pesquisar somente com metais e soluções, e em 1.800, chegou a invenção da pilha.

As pilhas de Volta imediatamente se proliferaram por todos os laboratórios do mundo científico da época, porque abriam novos campos para a investigação. Apesar disso, Volta não poderia suspeitar da repercussão de sua descoberta e dos benefícios que ela traria à humanidade. Este é um bom exemplo de como é útil um homem curioso e que se interessa por aquilo que está fazendo: um homem que desejava saber porquê os músculos de uma rã se contraem acabou por fazer duas das maiores descobertas de todos os tempos: a corrente elétrica, e a maneira de produzir corrente elétrica.


Resumo das unidades eletrostáticas e eletrodinâmicas estudadas

 

Grandeza
Símbolo
Unidade CGSES
Unidade MKS
Relação
Carga elétrica
Q ou q
c
Constante dielétrica
Densidade elétrica
Tensão eletrostática
T
10
Intensidade de campo elétrico
Diferença de potencial
V
V
Capacidade
c
F
Fluxo elétrico
Intensidade de corrente
I ou i
A
Resistência
R ou r
Resistividade
Condutância
C
mho
Condutividade
f.e.m. e f.c.e.m.
E ou e
v
Trabalho (energia)
erg
j
Potência
P
erg/seg
Nota: A relação dada indica o número de unidades CGS necessárias para perfazerem uma unidade MKS. Exemplo: entre as unidades de carga elétrica está colocada a relação , o que quer dizer que . Entre as unidades de diferença de potencial está indicada a relação , o que quer dizer que: .


Observações

 

1a) As unidades do sistema CGSES tem o nome formado da seguinte maneira: adiciona-se o prefixo STAT ao nome da unidade correspondente do sistema MKS.

A unidade de intensidade de corrente do sistema MKS chama-se ampère; então a unidade de intensidade de corrente do sistema CGSES se chamará statampère. A unidade de resistência do sistema MKS chama-se ohm; então a unidade de resistência do sistema CGSES se chamará statohm.

2a) No sistema CGSES, em vez de se usar o nome de uma unidade conforme está indicado na 1a observação, também é permitido escrever-se assim: unidade CGS eletrostática de………….. (nome da grandeza).

 

Exemplo

 

Tratando-se da unidade de intensidade de corrente tanto podemos indicá-la por statampère como por: unidade CGS eletrostática de intensidade de corrente (abreviadamente: , ou ). Tratando-se da unidade de carga elétrica, tanto podemos indicá-la por statcoulomb, como por: unidade CGS eletrostática de carga elétrica (abreviadamente: , ou ).

3a) No sistema CGSES, todas as vezes que não há possibilidade de dúvida, isto é, quando se sabe de antemão qual a grandeza que está sendo tratada, nem há necessidade de se mencionar por extenso: unidade CGS eletrostática de tal grandeza. Basta escrever: unidade eletrostática, ou abreviadamente, ues.

 

Exemplo

 

Se num problema é sabido que se está tratando de unidades de carga elétrica, não há necessidade de se escrever por extenso: de carga elétrica, ou . Basta escrever: ues. Assim, não há necessidade de se escrever o seguinte, por exemplo: a carga elétrica do elétron é . Basta escrever: a carga elétrica do elétron é .

4a) No sistema CGSES, como em qualquer outro sistema de unidades, é permitido indicar-se uma unidade por uma combinação de nomes de outras unidades com as quais ela tem relação.

 

Exemplo

 

A unidade de intensidade de campo tanto pode ser indicada por como por , pois campo elétrico é quociente de força por carga elétrica. A unidade de fluxo elétrico tanto pode ser indicada por , como por , pois fluxo é produto de intensidade de campo por área.


 

© 2007 - Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada. Todos os direitos reservados