Efisica

Processos de eletrização


Chama-se eletrização ao fenômeno pelo qual um corpo neutro passa a eletrizado. Os processos mais comuns para a obtenção da eletricidade estática são os seguintes.

 

1. Por atrito

 

Foi o primeiro processo de eletrização conhecido. Quando duas substâncias de naturezas diferentes são atritadas, ambas se eletrizam.

 

2. Por indução

 

Quando um corpo neutro é colocado próximo de um corpo eletrizado, sem que haja contato entre eles, o corpo neutro se eletriza. Esse fenômeno é chamado indução eletrostática.

O leitor que realizou as pequenas experiências que sugerimos até agora, já viu casos de eletrização por atrito e por indução. Assim, quando atritamos um pente, este se eletriza por atrito. Depois, quando aproximamos o pente eletrizado de pequenos pedaços de papel, o papel se eletriza por indução, e depois de eletrizado é atraído pelo pente (veja Capítulo IV).

 

3. Por contato

 

Quando um corpo neutro é colocado em contato com um corpo eletrizado, por meio de um fio condutor, o corpo neutro se eletriza.

Um outro caso de eletrização por contato é o seguinte: quando duas substâncias de naturezas diferentes, ambas inicialmente neutras, são colocadas em contato durante muito tempo, com grande superfície de contato, ambas se eletrizarão. Este caso é mais difícil de ser observado, porque a eletrização de ambas é muito fraca .

 

4. Por aquecimento

 

Certos corpos, quando aquecidos, eletrizam-se, apresentando eletricidades de nomes contrários em dois pontos diametralmente opostos. O fenômeno é chamado fenômeno piroelétrico. É mais comum em cristais, como por exemplo na turmalina.

 

5. Por pressão

 

Certos corpos, quando comprimidos, eletrizam-se, apresentando eletricidades de nomes contrários nas extremidades. O fenômeno é chamado fenômeno piezoelétrico. Também é mais comum em cristais, como por exemplo, turmalina, calcita e quartzo.

Estudaremos em nosso curso a eletrização por atrito, por indução (Capítulo IV) e por contato (Capítulo V).

 

© 2007 - Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada. Todos os direitos reservados