Efisica

Magnetismo terrestre

 

 

Chama-se campo magnético terrestre a esse campo magnético que existe ao redor da Terra. A existência desse campo se manifesta pela orientação da agulha magnética. O campo magnético terrestre pode ser considerado uniforme em uma extensão bastante grande como, por exemplo, na região ocupada por uma cidade.

 

1. Definições

 

Suponhamos que num certo lugar A (por exemplo, São Paulo, ou Rio de Janeiro) uma agulha magnética seja suspensa pelo centro de gravidade, de maneira que ela possa girar livremente. A agulha se orienta de maneira que seu eixo fique na linha de força do campo magnético. Essa linha de força em cada lugar é muito próxima da linha norte-sul geográfica (meridiano geográfico), mas não coincide com ela, conforme veremos.

Chama-se plano meridiano magnético do lugar A ao plano vertical que passa pelo eixo da agulha.

Chama-se meridiano magnético do lugar à interseção do plano meridiano magnético com o globo terrestre.



Figura 259
Chama-se declinação magnética do lugar ao ângulo d formado pelo meridiano magnético com o meridiano geográfico (fig. 259). A declinação é chamada oriental quando o polo norte da agulha se acha no oriente do meridiano geográfico; é o caso da figura 259. É ocidental no caso contrário.
Chama-se inclinação magnética do lugar ao ângulo i que a agulha faz com o plano horizontal (fig. 260). A inclinação é considerada positiva quando o polo norte da agulha está abaixo do plano horizontal; é o caso da figura 260. É negativa no caso contrário.



Figura 260

 

2. Componentes horizontal e vertical

 

Costuma-se decompor o campo magnético terrestre em duas componentes: uma, horizontal , e outra vertical (fig. 261).

Vê-se claramente que:

em que é a inclinação magnética do lugar.


Figura 261

 

3. Mapas magnéticos

 

Em todos os países se fazem medidas do campo magnético H, da declinação d e da inclinação i praticamente em todo o território. Os valores encontrados são assinalados em mapas. Depois se traça uma linha pelos lugares onde a declinação tem o mesmo valor; outra pelos lugares em que a inclinação tem o mesmo valor, etc.. Chamam-se linhas isógonas, àquelas que unem pontos nos quais a declinação tem o mesmo valor. Chamam-se linhas isóclinas àquelas que unem pontos nos quais a inclinação tem o mesmo valor. Chamam-se linhas isodinâmicas àquelas que unem pontos em que a componente horizontal do campo tem o mesmo valor.

 

4. Variação do campo magnético terrestre

 

A declinação, a inclinação e o campo variam de um lugar para outro, e também variam num mesmo lugar. Em um mesmo lugar se observam variações diurnas do campo, que assinalam pequenas oscilações. E variações mais profundas, que alteram por completo os valores de H, d e i, observadas ao cabo de muitos anos; estas se chamam variações seculares.

Às vezes há variações muito bruscas e muito intensas observadas no campo magnético, e que são percebidas não em um único lugar, mas em todos os observatórios magnéticos da Terra. Essas variações bruscas são chamadas tempestades magnéticas. O seu aparecimento coincide com as auroras polares. Tem-se quase como certo que o aparecimento brusco de uma mancha solar acarreta uma tempestade magnética.

Resumo das unidades estudadas nesse capítulo

 

Grandeza
Símbolo
Unidade CGSEM
Unidade MKS
Intensidade de campo magnético
oersted
praoersted, ou
Indução magnética
Gauss
Fluxo magnético
Maxwell
Weber
Susceptibilidade magnética

Nota: É útil relembrar que:

e têm as mesmas unidades;

, e têm as mesmas unidades;

e m têm as mesmas unidades .

 

 

 

© 2007 - Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada. Todos os direitos reservados