Efisica

A corrente induzida




Figura 329

Sendo ri a resistência interna do gerador, isto é, a resistência total de todas as espiras, re a resistência externa, i a intensidade da corrente, e a f.e.m. do gerador, pela lei de Pouillet temos:

e=(ri+re)i

Tiramos:

i=e/(ri+re)

é a resistência total do circuito. Chamando-a R , temos:

Substituindo a expressão de e, resulta:

O valor máximo da intensidade da corrente é aquele em que é máximo, Isto é, :

Podemos então escrever:

 

Comparando e concluímos que a intensidade da corrente e a f.e.m. seguem a mesma lei de variação em função do tempo. A figura 330 lado é um gráfico de i em função de t. Vemos que a intensidade da corrente não é a mesma em todos os instantes. Isso era de esperar, pois quando os elétrons estão se deslocando num sentido, para poderem se deslocar em sentido oposto eles devem parar e inverter a velocidade.



Figura 330



Suponhamos que o gerador dado como exemplo no 1o tópico deste capítulo tenha resistência interna de , e seja ligado a um circuito de .
Pede-se:
a) a intensidade máxima da corrente;
b) a lei de variação da corrente em função do tempo;
c) um gráfico da corrente em função do tempo.

Dados

a) Já sabemos que

 

b) A lei de variação de i é: , onde

Então:

 

c) O gráfico de i em função de t é a figura 331.



Figura 331

 

© 2007 - Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada. Todos os direitos reservados